Ciências & Histórias

terça-feira, abril 01, 2008

A Base do Pensamento Ocidental


Durante a trajetória de evolução da espécie humana, é marcante a presença de pessoas que se dedicaram a refletir sobre as questões relativas ao ser humano e sua relação consigo próprio, com os outros e com o mundo. Principalmente, desde os primórdios e em diferentes culturas antigas, observa-se um interesse fundamental em localizar onde estaria situada a mente (ou a alma). De fato, podemos observar uma ocorrência sistemática de propostas que procuravam lidar com questões ligadas à relação entre a mente e o corpo ao longo do desenvolvimento de diversas civilizações antigas. Destas reflexões surgiram correntes de pensamento que resultaram em contribuições importantes, alguns deles com efetiva influência no pensamento da humanidade como um todo. Talvez a tentativa de esclarecer exatamente o que significa e como é “possuir uma mente” esteja no centro de toda tradição filosófica ocidental.

Entretanto, nenhuma outra cultura deixou marcas ainda tão presentes no pensamento ocidental quanto a civilização antiga grega. De fato, é seguro afirmar que a origem de todo pensamento ocidental se encontra no pensamento antigo grego. Segundo Russel (2002), a filosofia e a ciência, tal como as conhecemos, são invenções gregas. Desde o surgimento da filosofia na Grécia e até mesmo antes, os homens não cessaram de se indagar sobre a singularidade e a origem do pensamento humano. Curiosos acerca à estrutura da Natureza e seu funcionamento e interessados em compreender os fenômenos naturais em termos racionais, os filósofos gregos se esforçaram em construir um conhecimento sem recorrer à religião ou aos mitos.

Assim, como seres historicamente situados, as concepções e as ações que norteiam o nosso viver, carregam consigo influências do pensamento filosófico desde a Antiga Grécia até os dias atuais. Fica clara a existência de um fio comum que percorre toda a tradição, de Platão até agora, relacionando esses diferentes debates em uma discussão continuada.

Mais especificamente, muitos dos conceitos existentes na neurociência moderna possuem suas origens na especulação nos antigos filósofos gregos e médicos. Ainda, questões centrais sobre a fonte dos pensamentos humanos, o mecanismo da atividade cognitiva, e a natureza das emoções, percepção e movimento voluntário, foram levantadas pelos pensadores gregos. Além disso, é marcante a contribuição da medicina e filosofia grega ao desenvolvimento de concepções originais sobre a natureza da alma, as faculdades mentais e a estrutura e função do cérebro. Os filósofos gregos elaboraram soluções teóricas que ainda nos fascinam por sua inspirada originalidade e a riqueza de suas implicações.

Por este motivo, iremos a partir de hoje, nos deitar de uma forma mais detalhada sobre os pensadores que contribuíram de alguma forma para a formação do pensamento ocidental.

2 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



<< Início